Eu nem preciso começar essa coluna com “que atire a primeira pedra quem…”, pois com certeza não vai ser só uma, nem duas, nem apenas três pedras que vão ser atiradas. Erros são inevitáveis. Todo mundo erra. E isso é normal. É humano.

Todo dia cometemos erros. Esquecemos algo, falamos o que não devíamos, não falamos o que devíamos, deixamos algo de lado, escolhemos a fila errada, entre tantos outros. Tem aqueles erros mais graves que podem nos custar muito caro e que, geralmente, deixam cicatrizes. E há todo tipo de erro; aqueles que você cometeu, aqueles que foram cometidos por você e aqueles que você não cometeu, mas lhe afetam.

Aqueles que cometem por nós, é quando alguém faz algo em seu nome, levando em consideração o que achou que você gostaria. Você é tão culpada quanto a pessoa que cometeu o erro, pois a levou a pensar que podia falar ou fazer algo por você e pior, ela interpretou como quis os seus gostos.

Aqueles erros que lhe afetam, foram feitos por outras pessoas, próximas ou não, e que acabam dividindo consequências que você não gostaria de carregar.

Já os erros que você comete, são seus inteiramente. E as pessoas com quem você divide ou não as consequências também podem ser próximas ou não. E se você tem um pouco de consciência… bem, nossos erros, até mesmo os pequenos, tem o poder de nos assombrar com excelência.

Alguns erros são consequência de más escolhas. E nesse sentido, eles nos ensinam um pouco, para que possamos escolher melhor. Mas nem todos os erros são ruins. Li em algum lugar que, às vezes, o trem errado pode lhe levar para o lugar certo. E o lugar que parece certo, pode ser o errado. É bastante relativo, depende de uma visão diferenciada, uma nova maneira de encarar as coisas e como interpretar o que acontece à nossa volta.

Erros são, de uma maneira mais simples, a prova de que você está tentando. Quem pode julgar Thomas Edison pelas suas inúmeras tentativas de criar a lâmpada? Afinal, ele acabou, com sucesso, conseguindo. Então, o julgamento dos outros de nada vale, se no final das contas, você, mesmo após inúmeros erros, conseguir o que estava tentando.

Mas ao falar de erros, acredito que apenas precisamos lembrar que é importante os confessar; “Sim, errei, me desculpe, vou melhorar”, ou então algo como “sinto muito, não foi por mal, fiz uma má escolha, não cometerei esse erro novamente”. Não é preciso ter vergonha. Vergonhoso é não enfrentar seus erros e evoluir. Vergonhoso é ser orgulhoso e nunca confessar ter errado. Vergonhoso é não perdoar erros, como se você nunca tivesse errado também.

Vergonha mesmo é não tentar nada na vida por medo de errar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: